quinta-feira, 4 de dezembro de 2014

Hilda Hilst - Partie 1

image
(Publication en portugais et ensuite en français)
Fragmentos do livro “Com os olhos de cao e outras novelas”
"Como devo matar em mim as diversas formas de loucura e ser ao mesmo tempo compassivo e lucido, criativo e paciente, e sobreviver?"
"Eu cá tenho minhas ideias, mas quem as ouve? Nem pedras, porque nao me saem à boca essas minhas proprias ideias. Por calar é que tenho ainda meu pao e minha vida. Engulo tudo o que penso".
"Com meus olhos de cao, paro diante do mar. Trêmulo e doente. Arcado, magro, farejo um peixe entre madeiras. Espinha. Cauda. Olho o mar mas nao lhe sei o nome. Fico parado em pé, torto, e o que sinto também nao tem nome. Sinto meu corpo de cao. Nao sei o mundo nem o mar à minha frente. Deito-me porque meu corpo de cao ordena. Há um latido na minha garganta, um urro manso. Tento expulsá-lo, mas homem-cao sei que estou morrendo e que jamais serei ouvido".
Fragments de la nouvelle “Le chien” du livre “L’obscène madame D. suivi de Le chien”, de Hilda Hilst.
Comment dois-je faire pour me supprimer, mieux, comment dois-je faire pour supprimer en moi les différentes formes de folie tout en demeurant lucide et compatissant, patient et créatif, et survivre?
J’ai mes idées à moi, mais qui est-ce qui les écoute? Même pas les pierres, parce que ces idées que j’ai, elles ne passent pas à ma bouche. C’est parce que je la ferme que je mange mon pain, que je suis encore en vie. Je ravale tout ce que je pense.
Avec mes yeux de chien face à la mer. Tremblant, le corps malade. Cambré, les flancs maigres, je repère un poisson parmi de s bouts de bois. L’épine dorsale, la queue. Je regarde la mer mais je n’en sais pas le nom. Je reste debout, tout tordu, et ce que je ressens, de même je ne sais pas quel en est le nom. Je sens mon corps de chien. Je ne sais rien du monde ni de la mer en face de moi. Je me couche parce que mon corps de chien l’exige. J’ai dans la gorge un aboiement, un gentil hurlement. J’essai de l’expulser mais l’homme-chien sait que je suis mourant et que je ne serai jamais entendu.

Lecture: Bonheur d’occasion - Gabrielle Roy

Le premier paragraphe :
image
Fragments:
Florentine
Florentine… Florentine Lacasse…, moitié peuple, moitié chanson,  moitié printemps, moitié misère…
Une Florentine détestant servir, détestant chaque minute de son assujettissement à la vie et, cependant, donnant ses payes presque en entier à sa famille. Une jeune fille que consumaient le dégoût du travail quotidien et aussi le dévouement aux siens. Une Florentine inconnue!
Sur la guerre
Nous autres, on nous dit que l’Allemagne veut nous détruire. Mais en Allemagne, à l’heure qui est, du monde tranquille comme nous autres, pas plus méchant que nous autres, se laisse monter la tête avec la même histoire; à ce qu’on leur dit, on veut les tenir enfermés dans un pays trop petit, on veut les empêcher de vivre. Mais moi, j’ai pas envie d’Aller tuer un gars qui m’a jamais fait du mal et qui peut pas faire autrement que de se laisser mener par ses dirigeants. J’ai rien contre lui, ce pauvre gars là. Pourquoi ce que j’irais y passer une baïonnette dans le corps? Il a envie de vivre comme moi. Il tient à la vie autant que moi. 
Je m’en vas vous dire une chose, moi… La société s’occupe pas de nous autres, pendant quinze ans, pendant vingt ans. A nous dit: « Arrangez-vous, débrouillez-vous comme vous pourrez.» Pis arrive un bon jour qu’a s’aperçoit de nous autres. A besoin de nous autres tout d’un coup. «Venez me défendre, qu’a nous crie. Venez me défendre»
Qu’est-ce qu’a nous a donné à nous autres, la société? Rien
Société de consommation
Qu’est-ce que vous voyez-t-y pas sur la rue Sainte-Catherine? Des meubles, des chambres à coucher. Pis de magasins de sport, des cannes de golf, des raquettes de tennis, des skis, des lignes de pêche. S’y a quelqu’un au monde qu’aurait le temps de s’amuser avec toutes ces affaires-là, c’est en nous autres, hein?
Mais le seul fun qu’on a, c’Est de les regarder. Pis la mangeaille à c’te heure! Je sais pas si vous avez déjà eu le ventre creux et que vous passés par un restaurant d’iousque qu’y a des volailles qui rôtissent à petit feu su une broche? Mais ça c’est pas toute, mes amis. La société nous met toute sous les yeux; tout ce qu’y a de beaux sous les yeux. Mais allez pas croire qu’a fait rien que nous le mette sous les yeux!
Ah, non, a nous conseille d’acheter aussi. On dirait qu’a peur qu’on soyez pas si tenté.
Oui, des tentations, c’est que la société nous a donné. Des tentations d’un boutte à l’autre.
La paix a été aussi mauvaise que la guerre. La paix a tué autant d’hommes que la guerre. La paix es aussi mauvaise… aussi mauvaise…

Fragmentos da novela “Axelrod”, da Hilda Hilst

Ainda que se mova o trem tu nao te moves de ti
Agrido-me como se fosse dono da verdade, como um cristao, como todo os cristaos que até hoje carregam o monopolio da luz como se o caminho fosse um so, Eu sou a Verdade, eu nao o sou.
A Historia me chupa inteiro, a lingua porejando sangue goza filhinho, sim dona Historia, vou indo, estou cheio de ideias, tenho duvidas, tenho gozo rapidos e agudos, vou te apalpando agora, o povo me olha, o povo quer muito de mim, gosto do povo, devo ser o povo, devo ser um unico e harmonico povo-ovo, devo morrer pelo povo, adentrado nele, devo rugir e ser um so com o povo, Axelrod-povo, Axelroad-coesao, virulência, Axelroad-filho do povo, HISTORIA-POVO, janto com meus pais, sopa de proletariado, paezinhos mencheviques, engulo o monopolio, emocionado bebo a revoluçao, lendo vou dirigindo o intelecto, mas estou faminto, estarei sempre faminto, cago o capitalismo, o lucro, a bolsa de titulos, e ainda estou faminto, ô meu deus, eu me quero a mim, o ossudo seco, eu.
Aos vinte temos muitas certezas e depois so duvidas, certeza de nada eu tenho exceçao. Aos vinte pontifiquei, tinha orgulho danado, um visual pretensamento sabio
como?
discorria claro sobre as coisas, pensava que via

“A obscena senhora D.”, da Hilda Hilst

Fragmentos da novela “A obscena senhora D.”, da Hilda Hilst
D. de derreliçao que quer dizer desamparo, abandono…
Ehud, por favor, queria te falar da morte de Ivan Ilitch, da solidao desse homem, desses nadas do dia a dia que vao consumindo a melhor parte de nos, queria te falar do fardo quando envelhecemos, do desaparecimento dessa coisa que nao existe mas é crua, é viva. o Tempo.
Nada me entra na alma, palavras grudadas à página, nenhuma se solta para agarrar meu coraçao, tantos livros e nada no meu peito, tantas verdades e nenhuma em mim, o ouro das verdades onde está? Que coisas procurei?
Ter sido. E nao poder esquecer. Ter sido. E nao mais lembrar. Ser. E perder-se. Repeti gestos, palavras passos. Cruzei com tantos rostos…

Fragments de la nouvelle “L’obsène Madame D.”, de Hilda Hilst
D. de Déréliction qui signifie abandon, détresse…
Ehud, je t’en prie, je voudrais te parler de la mort d’Ivan Ilitch, de la solitude de cet homme, de ces multiples riens du quotidien qui vont consumant la meilleure part en nous, je voudrais te parler du fardeau lorsque vient la vieillesse, de la disparition de cette chose que n’existe pas mais qui est crue, qui est vivante, le Temps.
Rien ne me pénètre l’âme, des mots collés sur chaque page et pas un qui se soit libéré pour retenir mon cœur, tant de livres et rien dans ma poitrine, tant de vérités et pas une établie pour moi, l’or de vérités où est-il? Qu’ai-je tant cherché?
Avoir été. Et ne pouvoir oublier. Avoir été. Et ne plus se souvenir. Être. Et se perdre. J’ai répété des paroles, des pas, reproduit des gestes, croisé tant des visages…

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Time to say goodbye: este blog chega ao seu fim

Depois de 6 anos aqui e mais 5 no blog antigo antes deste, é hora de dizer tchau. Este blog entrara em modo privado no proximo sabado. Meu muito obrigada a todos que passaram por aqui. 
Eu mudei, minha vida mudou, meus interesses mudaram, isso aqui nao esta mais a minha cara, nao me representa, vou mudar de casa virtual também, talvez eu va para o Tumblr no fim do ano ou no final dos meus estudos. Blogo desde minha adolescencia, mas preciso de tempo para me recompor, para restruturar as ideias, refletir e criar algo que representa o que sou hoje... 
Eu sou assim de lua, quando tenho birra, na ha cristo que me segura, eu saio do blog, saio do emprego, saio do pais, nada me prende. Dizem que a culpa é do meu signo, sagitario.

Au revoir!

quarta-feira, 2 de julho de 2014

BC musica dos anos 90 internacional


Hoje nao tem copa, mas tem blogagem coletiva. Musica dos anos 90, a época do grunge, minha preferida, mas nao vou colocar Nirvana porque ja apareceu em umas 10 blogagens, so Pearl Jam representando rsrs

Pearl Jam - Eddie Vedder lindo! <3 p="">

The smashing pumpkins



Oasis




4 Non blondes



Natalie Imbruglia



Dido



Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

quarta-feira, 25 de junho de 2014

BC Musica nacional - anos 90


Relembrando minha "aborrecência", geraçao MTV... Mais de 20 anos ja se passaram, minha gente, parece que foi ontem. Sou saudosista, escuto até hoje, as atuais nao me conquistam tanto.

Jackie Tequila, Coca-cola e agua...


Angra  (as musicas sao em ingles, mas a banda é brasileirissima), amo a musica, o livro, o filme O Morro dos ventos uivantes (Wuthering heights), adorei esse cover, o André Matos tem uma voz muito legal.



Me deeeeeeeeeixaaaaaaaaaaaa que hoje eu tô de bobeira.... Deixo nao, Falcao, seu lindo, te amo #beijomeliga



Por onde anda Tantra? Ouvia em looping esse CD, todas as musicas eram boas e isso é muito raro, um cd que todas as musicas me agrada.



Va morar com o diabo (vontade de cantar isso pra gente que so reclama, so quer privilégios sem meter a mao na massa) ... RIP Cassia Eller :(



Ainda existe Malhaçao? Essa musica era tema da abertura da novelinha, na época do Cabeçao, Mocoto. Charlie Brown lançou a musica popular caiçara e de skaters. RIP Chorao :(



Para terminar, um pouco de mangue beat, direto do Hellcife. RIP Chico Science :(  #OcupeEstelita



Saldo: dois morreram de overdose, um de acidente de carro, outro ficou paraplégico depois de levar um tiro durante um assalto. Outros desapareçam e ninguém sabe por onde andam e os sobreviventes continuam fazendo shows cantando as mesmas musicas dessa época com o publico reduzido. Uma pena!


Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

terça-feira, 20 de maio de 2014

Repensando as redes sociais

(desculpe a falta de acentuacao na postagem, preciso configurar meu teclado)

Eu tive uma reuniao com uma pessoa que até entao eu nao conhecia. Resolvi procura-la no facebook, so para ver a cara dele e acha-lo facilmente no meio da muvuca. Ele tinha o perfil publico, em menos de 5 minutos ja conhecia a mulher, os filhos, os pais, onde ele passou as ultimas ferias, o tipo de musica que ele escuta, os sites que ele curte, uma verdadeira invasao de privacidade consentida e na hora que cheguei na reuniao parecia que ja o conhecia completamente. Achei tudo tao estranho, me fez refletir melhor no papel das redes em minha vida, acho que a gente se expoe demais, todo mundo acaba sabendo muito da gente sem ao menos ter um minimo de intimidade para isso, um verdadeiro Big Brother.
Deletei o Twitter, era uma rede que gostava bastante, tem muita gente criativa, engracada, interessante, mas ja deu. O Facebook eu quase deletei tambem, mas resolvi deixa-lo porque participo de grupos sobre brasileiros no Canada que me ajudam bastante, tem os grupos de cinema, tem meus melhores amigos e minha familia que preciso ter noticias, visto que moro longe. Meu perfil nunca foi publico, a primeira coisa que fiz foi bloquear as paginas que apologia a violencia, incita o odio, a intolerancia, entao todo mundo que compartilhar essas coisas de tv revolta e afins, eu simplesmente nao verei mais. 
Segunda coisa: Deletar as pessoas sem do nem piedade, nao eh porque estudou comigo ha mil anos e nem ao menos interage que eu vou manter la so para fazer numero, nao mesmo. Primo distante que vi no maximo duas vezes na vida, desculpe eh parente, mas nao conheco, nao tenho intimidade, caiu fora tambem. Terceira: Nao responder posts de gente sem nocao a fim de consertar a informacao, nao vale a pena, a pessoa quer continuar com a estupidez, deixa ela, tem a opcao de nao receber notificacao entao estou aproveitando bastante esse recurso. Entendo bem que muitas pessoas nao fazem por maldade, na hora da raiva ate eu as vezes ja postei coisas revoltosas, mas aprendi, tanto que nao vou postar mais nada, minhas conviccoes politicas, pessoais, religiosas so cabe a mim e a ninguem mais. Vou curtir e comentar o que os amigos muito proximos postam, com quem sinto mais a vontade de interagir. As vezes posto coisas para os meus amigos, eles compartilham e os amigos dos amigos que pegam o bonde andando, comecam a comentar coisas nada a ver, comecam a me odiar sem ao menos me conhecer, por isso decidi nao postar mais.
Quarta: configurei para nao aparecer no meu mural as noticias ou fotos que as pessoas me marcam.

Quanto ao blog, talvez vai voltar a ser o que era no comeco, falarei de livros, filmes, receitas e esmaltes. As blogagens coletivas me ajudou a conhecer muita gente e muitos blogs legais, mas vou participar quando tiver tempo e quando o tema nao for muito pessoal, tanto que vou apagar todas as postagens e fotos que expus demais minha familia ou minha vida. As vezes eu quero compartilhar coisas interessantes que acontecem comigo, quero que a internet seja um lugar agradavel, que tenha mais musicas, mais poesia, mais tolerancia, mas infelizmente isso eh uma terra sem lei. Tomo precaucao, meus comentarios sao controlados, tenho que aprovar todos. So que tomei essa decisao: minhas redes serao como minha casa, so entra quem tem permissao, simples assim. Desgraca ja estao nos jornais, nao quero passar o dia ouvindo ou vendo essas coisas, rede social tinha que ser algo mais agradavel, queria ver as pessoas se divertindo, compartilhando o que elas estao lendo ou coisas do tipo, mas parece que ta todo mundo na lama, estressado, odiando todo mundo gratuitamente e eu ja tenho muitos problemas na vida para ter que aguentar piti dos outros.

Tudo que procurei na vida foi paz e tranquilidade, a vida eh muito curta para a gente perder tempo com picuinhas, a morte de uma amiga que tinha 27 anos me marcou muito, a gente acha que vai envelhecer, mas pode ser que nao. Por isso quero tornar o mundo melhor para mim, quero curtir ao maximo o que a vida tem a oferecer, quero ver o lado bom das coisas e das pessoas.
No momento estou tentando controlar as redes, talvez um dia eu canse de tudo isso e deleto tudo porque a vida verdadeira eh offline.

segunda-feira, 5 de maio de 2014

menos um semestre, outros planos e despedida de uma amiga

Finalmente terminei mais um semestre na faculdade, este foi um pouco difícil por causa de uma disciplina ministrada pelo melhor professor que tive até agora, mas o assunto é muito punk: história e memória. Passei o semestre inteiro lendo e vendo vídeos, documentários sobre guerras, genocídios, holocausto, propaganda governamental, ditaduras, nao sei nem como sobrevivi, perdi ainda mais a fé na humanidade, fiquei chocada e depressiva.
Um dia após o término das aulas, meu laptop pifou, ainda nao levei para o conserto. Estou aproveitando para testar as receitas que salvei no Pinterest, para assistir minhas séries, organizando a casa, preparando-me para fazer o TOEIC, prova de inglês para ver em qual nível eu me encaixo para começar um micro-programa de inglês na faculdade, agora vou fazer três cursos silmultaneamente: arquivologia, inglês e francês. Arquivologia só me resta uma disciplina obrigatória e o estágio, francês resta apenas uma, mas muito importante: Pronúncia e inglês, verei o nível que entrarei. Também vou aproveitar para me mexer um pouco, se ainda tiver vagas, vou fazer zumba e yoga.
Uma boa notícia: minha mae vem me visitar em outubro e vai ficar um mês, mais um motivo para eu me mexer porque sei que ela vai fazer um monte de comida boa.
Uma má notícia: Perdi uma ex-colega de trabalho, é muito triste saber da morte de alguém que é mais nova que você, trabalhávamos no teatro, ela era estagiária, estudava Design na USP, um dos cursos mais concorridos, eu estava me preparando para vir para o Canadá e ela para ficar um ano de intercâmbio na Austrália, ela era linda, criativa, inteligente, muito gente fina mesmo. Quando ela retornou da Australia eu já estava aqui. Entrei no facebook e vi as mensagens dos amigos informando sobre sua morte durante o feriado, acidente de moto. Fiquei arrasada. Um dos motivos pelos quais nunca quis dirigir foi por presenciar na infância um acidente de moto, fiquei com medo de atropelar alguém.  Também nunca tive vontade de andar de bicicleta pelo mesmo motivo.
Descanse em paz Clarissa! Sua estada por aqui foi curta, mas sei que você aproveitou bastante.

Para meditar:

"Hoje o tempo voa, amor
Escorre pelas mãos
Mesmo sem se sentir
Que não há tempo que volte, amor
Vamos viver tudo o que há pra viver
Vamos nos permitir"
 




terça-feira, 1 de abril de 2014

Jogo das 11 perguntas

Eu deveria estar estudando, mas estou respondendo meme, porque sou a louca dos memes, se vc conhece algum legal pode me linkar rsrs. Esse eu vi no blog da Pam e se vc quiser responder no seu blog também as mesmas perguntas pq estou sem tempo e sem criatividade de criar 11 novas, é só deixar o link nos comentários para eu ler e comentar.

1. Qual é a coisa mais comum do seu dia a dia que te deixa mais feliz?
Qdo meu marido traz chocolate ou vinho tinto.

2. Se pudesse escolher uma trilha sonora pra sua vida, qual seria a música e por que?
Uma música só? Pode ser um cd do Bob Marley? Porque tem música de amor e de protesto.

3. Qual era o seu desenho animado ou personagem favorito na infância?
Cavaleiros do Zodíaco

4. Qual foi a situação mais embaraçosa que você já passou?
Cada passo que eu dou é um embaraço. Pensa na pessoa que só dá bola fora....

5. O que você mais gosta e menos gosta em você? 
Eu gosto da minha determinaçao, quando eu quero uma coisa eu consigo e sem precisar dar rasteira nos outros. O que eu menos gosto é da minha antipatia às vezes, nem vou entrar em detalhes.... rs 
Também nao gosto de ser sedentária, de ter virado tímida, eu nao era, depois que vim pra cá eu quase nao falo e nem me mexo para nao chamar a atençao, Freud explica?

6. Uma mania que você tem, mas não consegue deixar.
Pinterestar tudo o que vejo, mascar chicletes, fumar e comer chocolate.

7. Se pudesse escolher qualquer lugar do mundo pra viver, onde seria?
Já escolhi e estou vivendo nele. Daqui nao saio, daqui ninguém me tira.

8. Que tipo ou peça de roupa não pode faltar no seu armário?
jeans, camiseta de banda ou de filme, all star sujo e camisa xadrez (sim eu sou grunge, desde os anos 90 uso o mesmo figurino).

9. Se você pudesse voltar no tempo e encontrar a si mesmo no passado, qual conselho você daria?
Continua assim que vc está no caminho certo.

10. Algo que você coleciona ou colecionaria se pudesse?
Se pudesse, livros, discos, filmes e HQs.

11. Cite três coisas que você quer fazer antes de ficar velhinha/ velhinho!
Andar de balao, pular de paraquedas, conhecer a sakura no Japao (cerejeiras em flor quando começa a primavera).

Pergunta extra que a Pam respondeu, mas nao está nas perguntas que ela criou: Qual seria uma coisa que você gostaria de aprender, mas que nunca teve tempo ou oportunidade?
Saber dirigir vespa, ser Dj, grafiteira, tatuadora, modelo pin-up, fotógrafa de boudoir,
mecânica (nunca quis dirigir, mas sempre quis saber consertar carro)


marceneira (já pensou eu fazendo meus próprios móveis ou reformando os já existentes, pintando, decorando, com uma cinta cheia de ferramentas na cintura igual a Paige Hemmes do Extreme Makeover home edition?)

Agora é com vocês...

Nao sei se volto a postar este mês porque é o último mês de aulas e estou cheia de provas e trabalhos. Até maio.



quarta-feira, 26 de março de 2014

BC Musical: Dance music anos 80/90

vou colocar dance music dos anos 90 para recordar meus tempos de "aborrecente" assistindo MTV, dançando, comendo e fazendo liçao de casa tudo ao mesmo tempo.









Neste último clipe dá para ter noçao das modas da época, tem uma moça dançando com uma saia envelope e tenis ked's branco, eu usava muito os dois rsrs Calça de cintura alta, blazer grande que cabia a pessoa duas vezes dentro dele, os coletes dos meninos, os cabeloes tanto dos homens quanto das mulheres rsrs. Como era bom ser V1D4 L0K4 rsrsrs O Dj BoBo era o David Guetta da época.



Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

segunda-feira, 17 de março de 2014

BC foto: Cabelos

Para trilha sonora, outra descabelada, a Gal Costa cantando "Cabelo", de Arnaldo Antunes





Meu cabelo tem vontade própria, rebelde que nem a pessoa que o carrega em cima da cabeça. Cabelo bandido, quando nao tá preso, tá armado, mas eu gosto dos meus cachos e assumo eles, nao faço chapinha, nao penteio com escova e nem pente, só com os dedos depois do banho

O Samuca cabeludo rock and roll e agora mais nerdzinho de cabelo curto
"uzomi" cabeludos aqui de casa, teve uma época que eles tinham o cabelo maior que o meu, by the way, meu marido ainda tem.
essa foi no verao passado

Lugar pra ver cabelo é nos shows de heavy metal, adoro! Olha que achei nos meus arquivos









As meninas no show, tirando fotos para o Instagram
raspado de um lado e grande do outro


Essa Blogagem Coletiva de fotos é uma iniciativa da Dani Moreno, corra lá para ver as fotos das participantes.

quarta-feira, 12 de março de 2014

BC Musical


No momento estou ouvindo duas em looping, som delicinha, nao sai da cabeça, fui no mercado e entre uma prateleira e outra me pegava cantando ora uma, ora outra....






Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

segunda-feira, 10 de março de 2014

BC fotos: água

Aperte o play para ouvir a música "Planeta Água" enquanto vc vê as imagens.




aves no Rio Saint-Laurent
molhando os pés
Rio Saint-Laurent no verao com a tenda do Cirque de soleil ao fundo
água e suco para se hidratar
O Rio Saint-Laurent no verao
Rio Saint-Laurent congelado no inverno
circuito das águas - Parque de la reserva - Lima/ Peru
circuito das águas - Parque de la reserva - Lima/ Peru
circuito das águas - Parque de la reserva - Lima/ Peru
Lago Titicaca - Puno/Peru
Lago Titicaca - Puno/Peru
Miraflores - Lima/Peru
Miraflores - Lima/Peru - por do sol
Itacaré - Bahia/Brasil
Essa Blogagem Coletiva de fotos é uma iniciativa da Dani Moreno, corra lá para ver as fotos das participantes.

sábado, 8 de março de 2014

Links do mês: Dia Internacional da mulher


Se hoje eu posso ser chata, já que é meu dia, entao vamos aos links:


Ando pessimista nos últimos dias, estou fazendo aulas de história e memória, tem casos de genocídios, guerras e injustiças, o mais triste é a parte da história das mulheres e das minorias que nao entram na história oficial, mas tem uma parte documental de dar pavor. Por isso nao deixem que transformem esse dia de luta em comércio.



"Sonhe, tenha pesadelos se necessário for, mas sonhe"
(Pagu, "Musa trágica da Revolução", no dizer de Carlos Drummond de Andrade, a primeira mulher a ser presa por motivaçao política no Brasil e a eterna homenageada na foto do perfil deste blog)
Vamos sonhar por dia melhores, sinto-me abençoada por nao ser uma mulher em zona de risco e nem de pobreza já que 2/3 dos pobres do mundo sao mulheres, isso explica porque 93% das pessoas que recebem auxilio do programa Bolsa família no Brasil sao mulheres, mas nao é porque eu vivo confortável que me calarei ou fingirei que nao vejo as injustiças, sou um canal, uma voz que clama no deserto. Clamar no deserto é falar sem ter ninguém para ouvir, mas mesmo assim falar.

“Este mundo poderá ser bem melhor se apenas fizermos o esforço de ser menos horríveis uns para os outros” Ellen Page

Vou deixar um poema da Pagu que vi na página dedicada a ela, visitem que é muito boa!

Canal

Pagu/Patricia Rehder Galvão
Publicado n’A Tribuna, Santos/SP, em 27-11-1960


Nada mais sou que um canal
Seria verde se fosse o caso
Mas estão mortas todas as esperanças
Sou um canal
Sabem vocês o que é ser um canal?
Apenas um canal?

Evidentemente um canal tem as suas nervuras
As suas nebulosidades
As suas algas
Nereidazinhas verdes, às vezes amarelas
Mas por favor
Não pensem que estou pretendendo falar
Em bandeiras
Isso não

Gosto de bandeiras alastradas ao vento
Bandeiras de navio
As ruas são as mesmas.
O asfalto com os mesmos buracos,
Os inferninhos acesos,
O que está acontecendo?
É verdade que está ventando noroeste,
Há garotos nos bares
Há, não sei mais o que há.
Digamos que seja a lua nova
Que seja esta plantinha voacejando na minha frente.
Lembranças dos meus amigos que morreram
Lembranças de todas as coisas ocorridas
Há coisas no ar…
Digamos que seja a lua nova
Iluminando o canal
Seria verde se fosse o caso
Mas estão mortas todas as esperanças
Sou um canal.


quarta-feira, 5 de março de 2014

As mulheres que leem sao perigosas

"As mulheres que leem sao perigosas", de Laurie Adler e Stefan Bollmann, 153 págs, ediçao Flammarion (versao em francês), nao sei se vende no Brasil. É um livro de história e também um livro de arte, mostra as principais pinturas e fotos que retratam mulheres lendo desde o séc XIII até o séc XXI.
Vou começar pelo lado estético do livro: Esta versao é de capa dura, as folhas têm uma gramatura mais firme, deve ser um papel couché com brilho, de no mínimo 120g. Gostei muito da utilizaçao dos tons pastéis, parece com os filmes da Sofia Coppola.



páginas em tons pastéis
O livro começa passando algumas informaçoes e curiosidades sobre a mulher leitora e a sociedade na qual ela está inserida. Cara colega, se você tem a liberdade de pegar um livro hoje e lê-lo, aproveite esse privilégio, isso já foi considerado uma heresia, uma afronta, motivos de discórdias nas famílias, tema de pesquisa médica, causou revolta nos religiosos, etc. Prestem atençao nos fragmentos:

"Coletânea de tratamentos e medicamentos publicada em 1836 e reeditada 9 vezes até 1877:
De fato, a leitura tornou-se uma ocupaçao permanente. As leitoras se multiplicam e a histeria aumenta. Mulheres-livros-histeria: trio infernal. As histéricas estao deixando os médicos cada vez mais obcecados, eles escrevem tratados nao para compreendê-las, mas para tentar domesticá-las, como as bestas-feras, elas estao presas às paixoes mais obscenas. A histeria perturba, a histeria está exagerada. A histeria desconstrói a ordem da família, mas também da sociedade". (pág 17)

A histeria é um diagnóstico criado por médicos homens para rotular a mulher que se impunha, que lia, que lutava pelos seus direitos. Até nos dias de hoje, uma mulher que fala mais alto é chamada de histérica.
As mulheres histéricas eram também chamadas de bovaristas, termo baseado na personagem Madame Bovary, de Flaubert. Emma Bovary lia muito, portanto os médicos afirmavam que toda a perturbaçao e desejo sexual que ela tinha era por causa do excesso de leitura e tentavam convencer as mulheres a nao se igualarem a ela.

"Demoníacas as mulheres que leem? Sim, certamente, cada vez mais perigosas e por muito tempo ainda. Pois ao longo do tempo nao distinguimos mais o sexo feminino do masculino. O texto feminino e o texto feminista permitiram a construçao de uma nova esperança vital e libertária: as mulheres nao se escondem mais atrás de identidades secretas, sob pseudônimos, elas nao se contentam em parecer com as heroínas inventadas, elas fazem uso da palavra, elas dizem "eu", elas escrevem "eu", elas produzem textos, textos téoricos e ficcional, texto sobre incestos, sobre homossexualismo, sobre sexo. As leitoras sao hoje autoras, elas escrevem, escrevem e leem ao mesmo tempo. As mulheres que leem acham em seus textos fontes secretas do desejo".
"Senhores conhecedores dos movimentos da alma e da psiquê, ler dá às mulheres idéias. Sacrilégio! É necessário higienizar, colocar ordem, canalizar e limpar. Leiam leituras de piedade (bíblia), poemas de cavalaria, leiam pouco, mas leiam bem, leiam e releiam, disse um médico e teórico da leitura como arte da tentaçao, Parent-Duchatelet".

Outras curiosidades: A leitura era, na maior parte da história, privilégio da nobreza e depois também da burguesia. Com a reforma protestante, os países que aderiram a essa religiao ensinaram às mulheres de todas as classes sociais a lerem para que elas tivessem acesso à biblia, só que a populaçao nao se contentou apenas com leituras religiosas e passaram a se interessar também por leituras profanas. Saber ler ajudou as mulheres a se informarem sobre cuidados sanitários, como evitar doenças, houve uma diminuiçao considerável da mortalidade infantil na Suécia e até hoje este país é um dos mais avançados na área da educaçao e de conquistas femininas.
Ler era um ato de anarquia (pág. 30), a mulher desobedecia as ordens dos homens e da sociedade.
Ler na cama (pág.33): O hábito de ler na cama é tipicamente feminino, elas "furtavam" os livros da biblioteca dos pais ou dos maridos, escondiam debaixo do travesseiro e liam quando eles nao estavam presentes.
Nos quadros, as mulheres aparecem lendo enquanto os homens aparecem escrevendo.

Pieter Janssens Elinga (1623-1682) - Reading woman
Neste quadro do Pieter, mostra uma empregada que aproveita a ausência da patroa para ler, ela aproveita a claridade dos raios de sol na janela, enquanto isso tem sapatos espalhados no recinto, bacias de frutas em cima de uma cadeira.

Anselm Feuerbach - Paolo e Francesca
No quadro de Anselm, encontra-se dois personagens do livro A divina comédia, de Dante. Eles foram culpados por adultério, pego em flagrante pelo marido de Francesca. Ela está atenta à história do livro, ignorando a presença do amante.

Esta foto representa duas mulheres muito importantes: a fotógrafa e a fotografada. A fotógrafa foi uma das pessoas que revolucionou o mundo da fotografia, Julia Margaret Cameron começou sua carreira bem tardiamente, ela tinha 45 anos quando ganhou a máquina de presente e já era mae de seis filhos, ela fotografava as celebridades de sua época. A fotografada é a Alice Liddell, com 18 anos e lendo, mais conhecida como Alice no País das Maravilhas, a menina que motivou Lewis Carroll a escrever alguns livros.

Duncan Grant (1885-1978) - Le poêle
A história é complicada: Duncan Grant foi o terceiro marido da irma da Virginia Woolf, a Vanessa Bell, eles tiveram uma filha chamada Angélica que é a moça representada nesse quadro. A Angélica casou-se com um amante do pai dela, o David Garnett e tiveram quatro filhas.

Vanessa Bell (1952), Amaryllis et Henrietta
A Vanessa Bell, irma da Virginia, esposa do Duncan, mae da Angélica, sogra do David, o ex-amante do seu marido, era também pintora, neste quadro ela pintou duas de suas netas, filhas da Angélica, lendo.

Alexander Alexandrowitsch Deineka (1934) Jeune femme au livre
Este quadro mostra uma mulher lendo na Rússia, após a Revoluçao de outubro de 1917, em que as mulheres conquistaram os mesmos direitos dos homens para trabalhar, estudar, praticar esportes, música e artes em geral.

Tem muito mais, isso foi só um tira gosto, nem coloquei as pinturas mais lindas para nao estragar a surpresa do livro, sugiro que vocês leiam e se apaixonem, é muito interessante, às vezes revoltante por causa do machismo, mas é lindo. E agora tem o volume 2, "As mulheres que leem muito sao mais perigosas ainda", só que nao chegou aqui no Canada, deve ter só na Europa por enquanto, tudo que depende da traduçao do alemao para um outro idioma demora...Aguardo ansiosa. O que vocês acharam desta amostrinha que vocês viram?

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

BC Musical: cover

A atriz cantora/ atriz portuguesa Maria de Medeiros cantando com sotaque brasileiro "Sentimental", do Chico Buarque e declamando a letra em francês. Belíssima interpretaçao! Ela parece aquelas bonequinhas bailarinas de caixa de música.



Nacho Mañó y Gisela Renes cantando Chique Buarque em espanhol, fico com ciuminho quando os artistas internacionais aproveitam mais da nossa cultura do que nós mesmos, nossos meninos músicos do samba, se nao fazem sucesso em casa, tem mais é que partir pro mundao mesmo porque tem quem gosta e valoriza, né?



Axl Rose, te humilharam nessa, mô bem...Melhor versao de Sweet child o'mine




O grupo Nossa, cantando Sérgio Mendes. É dificil ter a nossa lindeza, nossa alegria e nossa ginga brasileira porque tá no nosso DNA, mas valeu pelo esforço, meninas. Quem nao tem Pelourinho grava em Portugal mesmo. E o bofe com esse bronzeado artificial alaranjado querendo bancar o menino do Rio? 'Tamo' de olho nessa zoeira....Nao vao pensando que é tao fácil assim ser brasileiro. rsrsrs





Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

sábado, 15 de fevereiro de 2014

Amizade com brasileiros no exterior

Muita gente me pergunta se eu tenho muitos amigos brasileiros aqui, inclusive o meu pai que fica preocupado caso aconteça alguma coisa e a gente venha precisar de ajuda de alguém. Antes de responder, vou deixar claro uma coisa: Essa é minha experiência pessoal, nao respondo pelos outros.

Tenho alguns conhecidos sim, pessoas que me identifiquei bastante e que falo mais pela internet do que tête-à-tête, porém nao tenho intimidade, visto que tá todo mundo na correria, buscando seu lugar ao sol e ninguém tem tempo pro 5 à 7 (happy hour) para se conhecer melhor. Eles sao suficientes para me dar uma mao caso eu precise, como meu pai pensa? Nao! E por que nao? Talvez porque eu nao queira incomodar quem eu mal conheço, se eu precisar de alguém eu procuro uma ONG que ajuda imigrantes, o consulado, whatever, mas nao gosto de depender de favor. Também porque sou paulistana e temos fama de sermos mais reservados, desconfiados e mais chatos. Dizem que nao existe amor em SP, rsrsrs (olha eu tentando arrumar desculpas esfarrapadas...)
Só porque é brasileiro é amigo? Nao e mil vezes nao. Nao é porque a pessoa é do mesmo país que você vai se identificar e ter que aguentar o sujeito, eu fujo de gente que nao bate com meu santo independente da nacionalidade. Exemplo: uma brasileira que encontrei na faculdade falou que os homens daqui sao todos uns bananas e que ia ensinar o filho dela a dar umas porradas porque o filho dela era macho. Mulher machista incentivando a violência, para ela ser homem é ser um brucutu. Sorry, minha vida já é muito complicada para lidar com gente assim.


Aqui no verao, depois de um rigoroso inverno vestindo toneladas de roupas, as mulheres usam as roupas muito curtas, mais curtas do que as brasileiras que moram no litoral, só que aqui mulher é respeitada e nenhum homem vai mexer, muito menos culpá-la de alguma coisa por causa da roupa. Aí um brasileiro veio com piadinha de slut shame, querendo dar a entender que elas eram todas bitches, saio de perto e evito esse tipo de gente. Cara, tem brasileiro que se acha melhor que os colombianos e os mexicanos e fica cuspindo preconceitos, estamos todos no mesmo barco, comendo sardinha e o outro quer arrotar caviar. Essas historinhas foram as mais lights tá? Imagina as bem cabeludas, aquelas que vc quer enfiar a cabeça na terra, de chegar para os gringos e dizer: Isso é a opiniao dele, viu? Nao é de todos os brasileiros, nao vao achando que todo mundo lá é assim.
Tenho uma colega colombiana que falou a seguinte frase e achei o máximo: "tem colombiano que se acha melhor que eu só porque chegou uma semana antes", concordo com ela, o mesmo acontece com brasileiros. Porque nao é uma questao de nacionalidade é de caráter.
Outra coisa que me deixa pisando em ovos e me faz evitar ainda mais algum tipo de aproximaçao é de observar algumas coisas nos famosos grupos e foruns, eles ajudam muito, tem muita gente solícita, educada, que responde com toda atençao do mundo, aí tem os trolls, aqueles que chegaram uma semana antes e vêm dando patadas pra todo lado, às vezes uma simples pergunta como: "Alguém sabe onde vende polvilho"? Pode virar a 3a Guerra Mundial, já colocam a Dilma Rousseff no meio, a Pauline Marois (a Primeira Ministra daqui), mandam voltar pro Brasil, fazem um terrorismo dos diabos. Eu fico tentando entender o que passa na cabeça dessas pessoas. Eu, por exemplo, se eu sei a resposta, limito a responder apenas o que foi perguntado, se nao sei, fico na minha. Só que tem gente que nao sabe de nada e vai tumultuar e vem os alimentadores de trolls dando corda e o assunto descamba pro outro lado. Eu tenho um Death note que anoto os nomes dessas pessoas (sao sempre as mesmas), porque se eu souber que elas estao na área, eu quero distância.
Véi, tô fora! Nao sou obrigada, sabe. A vida é muito curta pra perder tempo com quem a gente nao se identifica. Como diz o bom e velho ditado: Antes só do que mal acompanhada.
Talvez o Facebook tenha desvirtuado o real significado de amizade, como explica o Zygmunt Bauman


Mas nao pense que eu nao vou ter amigos, pelo contrário, uma hora vou ceder, quando minha vida entrar nos eixos, vou criar alguns laços de amizade com gente da minha terra sim, vale a pena marcar um rendez-vous com um pessoal super bacana que tem por aqui, mas acredito que esses laços sao construídos aos poucos, nao é só aceitando um convite no Face que já te faz BFF (best friend forever). O que eu nao gosto é de "forçar a amizade", ter que se enturmar custe o que custar e depois ter que se livrar dos encostos. E tem o outro lado também, né? A pessoa tem que ir com a minha cara, cria altas expectativas a meu respeito e depois se decepciona, o povo acha que sou descolada, mas sou bem blasée, sem graça mesmo, meio sem jeito.

Tem gente que se enturma fácil, nao só com brasileiros, mas com gente daqui e do mundo inteiro, queria ser assim, nao sou, vou devagar, mas chego lá, nunca fui de ter muitos amigos nem no Brasil, nao é aqui que eu vou virar arroz de festa, néam? Resumindo: nao é a nacionalidade que ajuda na amizade é a afinidade, tem brasileiros que sei que tenho afinidade e isso é um ótimo começo, assim como tem aqueles que nem com meio litro de caipirinha vai me ajudar a encará-los.

E aí povo expatriado, como é essa experiência com vocês? Vocês sao facinhos ou ficam se fazendo de difícil? rsrsrs  Conte-me nos comentários

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

BC: música que me faz chorar

Nao chega fazer chorar, mas que é triste, isso é....

Mad world (mundo louco), letra tristissima


Lana del Rey, todos os clipes dela sao deprês e mesmo assim adoro


Nirvana, a geraçao grunge, a primeira perda que tive dos meus artistas favoritos foi quando o Kurt Cobain morreu, eu era adolescente e fiquei chocada. Essa música é tao pra baixo....


Adoro a Tracy Chapman, a letra dessa música é linda, mas desesperançosa, música de fuga


I'm going through changes (estou passando por mudanças)


Essa Blogagem Coletiva musical é uma iniciativa da Dani Moreno, confira lá as músicas escolhidas por outras participantes

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

Links do mês: blog fitness, literatura, videos, quadrinhos e filmes para mulheres

Umas das promessas para o blog este ano é incentivar as mulheres e as meninas a estudarem e a serem independentes. Já fiz um post falando da situaçao de pobreza das mulheres no mundo e também falei dos blogs mais visitados por elas que sao de beleza e fitness e o quanto isso pode ser danoso e uma má influência. Primeiro porque sao meninas da elite que podem sair gastando sem limites, que têm tempo para ficar 3h na academia, que recebem patrocínios e vivem disso. Eu sou sedentária, mas reconheço que atividades físicas acompanhadas por bons profissionais é o melhor caminho e nao dica de blogueiras. Fuja das dietas da moda que prometem milagres instantâneos, procure um nutricionista e emagreça com saúde. É melhor gastar com uma consulta a um profissional preparado do que gastar com remédios na UTI.

Vou deixar um link da revista TPM, escrito pela médica Mariana Perroni, explicando melhor estes perigos: Blogueiras fitness e a informaçao pouco malhada

Dentro do espírito laotong ou de sororidade, outra promessa para 2014 é ler livros escritos por mulheres e ver filmes dirigidos por elas também, entao vamos começar pelos links dos filmes:

Já inclui mais de 300 filmes na lista de filmes dirigidos por mulheres no Filmow
30 filmes mais esperados para 2014 (matéria em francês) Nesta lista de 30 filmes só tem 2 com mulheres na direçao, a Susanne Bier e outro da Larry Wachowski em parceria com seu irmao Andy.
Jogos Vorazes - Em Chamas é o primeiro filme protagonizado por uma mulher que se torna a maior bilheteria de um ano, nos EUA, desde que O Exorcista estreou, em 1973, exatos 40 anos atrás. Fonte
Lista de filmes que passaram no teste Bechdel (em inglês). Para passar no teste, o filme tem que responder três requisitos: 1) tem que ter ao menos duas mulheres 2) elas devem conversar entre elas 3) sobre qualquer coisa que nao seja homem

Literatura

Para quem nao sabe, 2014 é o ano de ler mulheres, busque mais informaçoes pela hashtag #ReadWomen2014

A Juliana, do blog O Pintassilgo, criou uma lista maravilhosa de escritoras
Entrevista com a escrita iraniana Asar Nafisi, autora da "Lendo Lolita no Iran": Anna Karenina vc. Google glass (em inglês)

Política

Conheça o site da deputada mais jovem e uma das mais competentes do país, Manuela D'Ávila

Esportes

Artigo mostrando as desigualdades entre atletas masculinos e femininos. Começando pelo salário, transmissao de jogos na TV, comentaristas, patrocínio, etc. (em francês)

Videos
Quando os papéis sao invertidos (em francês, mas pelas imagens dá para entender o contexto)


Entrevista com a Simone de Beauvoir: Por que eu sou feminista? (em francês com legendas em inglês)


Quadrinhos

Lista da Wikipedia de mulheres autoras de quadrinhos 
via Quadrinhos ácidos

Via Umbigo sujo

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Dinheiro: Questao de prioridades

A Carmen Guerreiro do blog AnsiaMente fez um ótimo texto chamado "A arrogância segundo os medíocres". Ela menciona as prioridades que para ela sao mais importantes do que o consumo desenfreado de coisas supérfluas. Ela conhece 13 países, é fluente em alguns idiomas, tem um vasto conhecimento cultural, gastronômico, turístico, etc. Mas nem gosta de compartilhar isso com as pessoas porque é tachada de esnobe. Tem uma parte do texto que ela explica bem como se pode priorizar os gastos:

"Pagar R$200 em uma aula de francês não pode. Mas pagar mais em uma academia, sem problemas. Se eu como aspargos e queijo brie, sou “chique”. Mas se gasto os mesmos R$ 20 (que compra os dois ingredientes citados) em um lanche do Mc Donald’s, aí tudo bem. Se desembolso R$100 em uma roupa ou acessório que gosto muito, sou uma riquinha consumista. Mas gastar R$100 no salão de cabeleireiro do bairro pra ter alguém refazendo sua chapinha é considerado normal. Gastar de R$30 a R$50 em vinho (seco, ainda por cima) é um absurdo. Mas R$80 em um abadá, ou em cerveja ruim na balada, ou em uma festa open bar… Tranquilo!"


Eu nunca fui rica, nunca tive casa própria e nem carro, morava de aluguel em um predinho antigo, sem garagem, sem elevador, sem porteiro e sem ajuda de empregada (o valor do aluguel é menor qdo o prédio nao tem serviços), o ponto de ônibus era em frente ao prédio e a estaçao de metrô ficava a duas quadras, portanto me garantia com o transporte público e economizava com os gastos de um carro: gasolina, IPVA, seguro e manutençao. Sempre estudei em escola e faculdade públicas, portanto nunca gastei dinheiro com educaçao. Roupas, a maioria eu ganho ou compro em brechó, em feiras hippies ou em lojas de departamentos em dia de Black friday, bem baratas.
Fiz um curso de manicure e faço minhas próprias unhas, sai mais barato que ir ao salao todo fim de semana. Cabelos, aceito meus cachos, nao faço chapinha, nem escova, eu mesma corto e passo tinta de farmácia, ou seja, nao gasto dinheiro no salao também.
Celular e eletrônicos, só troquei o meu nokia tijolao porque era analógico e a Vivo me deu outro simples digital porque os analógicos foram extintos, depois ganhei um Smartphone Samsung, a primeira geraçao de Android e uso ele até hoje, nao tenho necessidade de ficar trocando, vou ficar com ele até kaput. É essa minha atitude que faz o meu dinheiro render e gastar com coisas que realmente me dao prazer.
Às vezes parecia que eu era mais "rica" que a minha chefe, eu viajava mais que todo mundo, gosto de carimbo no passaporte, sei 3 idiomas e me arrisco em mais dois, nao sou fluente como a Carmen, mas é o suficiente para sobreviver, quando falo as pessoas me entende.

Sou super antenada nos lançamentos do cinema, ia bastante ao teatro, comprava muitos livros, mas isso tem a ver com o que eu escolhi para mim. Enquanto meus amigos iam pra balada cara todo fim de semana, eu ia ao teatro às sextas e ao cinema às quartas que o ingresso é mais barato. Enquanto eu viajava de mochilao pela América Latina, dormindo em albergues, eles para ir ao Rio de Janeiro tinham que ficar em hotel caro, enquanto eles trocam de iPhone a cada 6 meses, eu pagava meus cursos de idiomas.
O dinheiro que eu poderia guardar para comprar um apartamento, eu investi na imigraçao para o Canadá, assim meu filho pode fazer uma faculdade aqui, aprender os idiomas locais e ainda viver em um país mais justo, com qualidade de vida e com mais oportunidades. Se eu quisesse ostentar gastando com supérfluos, com certeza eu nao teria acesso à cultura, ao turismo e à vida que tenho hoje. 
Claro que quando se é rico e a grana nao é problema, pode se dar o luxo de gastar com supérfluos e com cultura, viagens, etc. Mas no meu caso, eu só poderia optar por um ou por outro.
O que me dava raiva era as pessoas dizerem na minha cara que nao tinham dinheiro para irem ao cinema ou comprarem um livro, achavam caro, isso porque elas ganhavam mais do que eu, a verdade é que a prioridade delas era outra, simplesmente  arrumavam desculpas. 
Quando alguém fala que nao tem dinheiro para viajar, ai que preguiça! Aqui em casa somos em três, gasto triplo em tudo. Aprendi a viajar de mochilao, sempre fora de temporada, ficamos em albergues, verificando a alta e a baixa do dólar, as promoçoes de passagens aéreas, o parcelamento e por aí vai. Resumindo: planeja a sua vida, veja o que é essencial, o que é prioridade e tire proveito disso. Eu gosto da minha vida, é sem luxo, mas é divertida, cheia de histórias para contar, enquanto os outros estao presos em seu mundinho fantástico, morrendo de medo de serem assaltados e de perderem os seus bens. Eu nao tenho nada a perder.
Já falei aqui na tentativa de assalto, o ladrao queria meu celular que estava com o meu filho, quando ele viu o nokia velhinho ele falou: nossa, vc tá pior do que eu! ahahahaha. Até ladrao tem dó da gente.
Nem sempre quem é muito viajado ou é poliglota é rico ou esnobe, só decidiu investir o dinheiro dele em algo diferente da maioria.
Cada um gasta seu dinheiro como quiser obviamente, mas façam bom uso, depois que envelhece, perde o vigor para subir a trilha de Machu Picchu.